4 de abril de 2012

Quando a cesárea é necessária?

Eu prefiro viver com esta dúvida para o resto da vida do que ter essa resposta na prática. SIM, meu pavor pela cesárea é tão grande que eu rogo aos deuses, anjos e espíritos protetores para que eu não descubra essa "verdade" na pele. Racionalmente, eu entendo que uma cirurgia pode salvar vidas, mas quando a vida da Clarissa, ou a minha, estará realmente em risco? Essa é a pulguinha que começa a surgir no quase último mês de gestação.

Eu já passei os olhos em vários quadros que apontam as indicações necessárias para uma cesárea, mas eles não me dizem nada. Eu tento reler as palavras, me esforço para ter atenção, mas nem assim consigo investir neste conhecimento. Minha reação é sempre automática: NÃO! Eu não me encaixo nisso, nem nisso nem naquilo. Eu posso parir de verdade!!! E quando alguma profissional tenta mostrar que esse caminho pode terminar numa cesárea necessária...

...Hummmmmm, NÃO ACEITO!

Sei que parece egoísta e passa a sensação de que a "busca pelo parto normal" tornou-se mais importante que o nascimento...mas não é tão simples assim. O que me apavora é que o argumento da cesárea necessária é muito similar ao que eu vivi daquela que considero desnecessária. Ou seja, quem vai colocar essa "decisão" na sua mão é o profissional de saúde. Por isso, de novo, volta com tudo aquela palavrinha que demorou anos para ser desconstruída: CONFIANÇA no obstetra!

De novo, será essa equipe quem lhe trará as condições do parto. OK! Eu sei, você tem razão, foi justamente essa reflexão que nos levou a buscar profissionais humanizados conscientes do nosso desejo e da importância desse ritual para nossa família. Mas não basta...o medo dá um jeitinho de te colocar várias pulguinhas atrás da orelha. Ele chega de mansinho, você começa a dar respostas claras e objetivas crente que assim ele sumirá, mas ele vai invadindo a sua mente: mas quando, então, a cesárea será necessária?

É isso mesmo que você entendeu: estou pedindo socorro a mim mesma. Confie em você! Essa é a resposta que eu preciso, mas isso só funciona racionalmente. Ainda continuo sentindo medo, divagando entre um passado e o presente, misturando personagens e, de certa forma, punindo as cesáreas necessárias que acontecem todos os dias dentro do ambiente humanizado. Eu sei que não há garantias, mas meu medo ainda tenta buscá-las. Esse é o desafio que enfrento agora...E você, qual teu?

PS: Apesar de ter consciência de que os quadrinhos não serão suficientes para superar esse desafio pessoal, agradeço muito por links indicados nos comentários, please!


Posts Relacionados:
Meu Parto... Como foi o seu?
Cultura do Medo às avessas

12 comentários:

  1. Nao entendo o radicalismo por ambos os lados, quem soh quer cesaria e quem soh quer parto natural.
    O mais importante eh mae e filha estarem bem no final, ponto.
    Infelizmenete nao podemos controlar o mundo nem o nosso corpo.

    ResponderExcluir
  2. Eu tive um parto cesária!Entrei no hospital com 8 de dilatação, super tranquila, mas meu bebê não estava na posição correta. Por isso eu entrei em parto de emergência, graças a habilidade do meu médico deu tudo certo!Minha cesárea foi perfeita e meu pós cirúrgico maravilhoso!

    Acho que as pessoas aterrorizam as coisas e tem uma tendencia a exagerar. Já li posts de mães que abominam o parto cesária,falam absurdos e até coisas erradas!

    Duas amigas próximas tiveram parto normal praticamente no mesmo mês em que ganhei meu filho, elas ficaram aterrorizadas,levaram pontos, sentiram dor...emfim acho que cada experiência é única e o que vale para uma mulher não é padrão para outra.

    Apesar das experiências das minhas amigas eu faria um parto normal tranquilamente e com certeza se houver necessidade farei outra cesária.

    Vale conversar e fazer o pré-natal com profissionais que vc tem confiança, ter uma gravidez saudável e tranquila e o principal confiar que Deus sabe o que é melhor.

    Assim como há erros em uma cesária, também há erros em parto normal. Nada é 100% seguro.

    ResponderExcluir
  3. Carol, acho que FELIZMENTE não podemos controlar o mundo, né! Essa é uma lição complicada de colocar pra dentro de nós mesmos pq chega uma certa idade que vc já desapegou de tantas coisas dificeis que vc acha que aprendeu sobre o imprevisível, mas...ledo engano, a gente sempre tá buscando garantias qdo não sabe o que fazer...
    Bem, pra mim, é mto fácil compreender mulheres que lutam com unhas, dentes e muita militância pelo parto normal porque eu tive uma cesárea no Brasil. Essa experiência é muito intensa pq ela te coloca na pele um problema político e cultural da sociedade brasileira. E você fica marcada com essas cicatrizes...Então, quando vc tem uma segunda chance, vc tem de trilhá-la junto com suas cicatrizes...por mais que vc saiba que elas não são as únicas marcas daquela trajetória. Eu sei que esse parto é da Clarissa pq ela me ensina muito a enfrentar meus medos...Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
  4. Fê, vc trouxe uma questão muito importante que também tem sido frequente nessa minha gestação: a FÉ!!! Acho que a fé no universo, no outro, no humano e na crença mesmo no mundo espiritual ajuda a gente não só se preparar para o parto, seja (a)normal ou cesárea...como também nos ajuda a confiar em nós mesmos e colocar todos esses medos em seus devidos lugares...Obrigada!

    ResponderExcluir
  5. Gostaria de deixar um link neste post para mães de segunda viagem que passaram por este medo que sinto agora: http://nossopd.blogspot.com.br/search/label/Relato%20de%20parto

    É um relato muito belo que me fez pensar nas diferentes formas de nos preparar para o parto. Vale registrar também que esse post trouxe alguns relatos na lista Materna que me ensinou que a cesárea necessária é completamente diferente daquela que vivemos na primeira gestação, qdo ela foi desnecessária...O motivo é simples: o processo é outro!

    ResponderExcluir
  6. Com certeza Célia!Eu amei seu post!Achei as informações ótimas!Acho que toda mamãe deve se informar bem e ter segurança no profissional que escolheu!Confiar que ela vai dar conta!Que é capaz de passar por estes dois processos!Somos mulheres fortes e hoje a informação chega muito mais rápido!Acho que compartilhar experiências é uma coisa linda!Vai acalmando esse medo do desconhecido, ou ate mesmo o trauma que adquirimos anteriormente!

    Eu amo este mundo de blogs maternos, acho rico!Eu aprendi tanto nesse universo!Perdi tantos medos depois de ler relatos de mães.

    estou me preparando para segunda gestação e adorando conhecer mais sobre o parto normal, espero que eu consiga passar por esta experiência tb!Se não der vamos ver como será uma segunda cesárea rsrsrs.

    ResponderExcluir
  7. Engravidei duas vezes e perdi o segundo bebê. Vivemos juntos por três meses. Os melhores da minha vida de mãe. A primeira gestação foi muito complicada para mim e qdo me dei por grávida ... era "a minha segunda chance" e tudo estava indo bem fisicamente. Numa sexta-feira houve sangramente e fiquei até a quarta seguinte deitada e sentindo dores mas meu corpo não o expulsava. Lembro como hoje, Ceila, de ter acordado depois de passar a noite chorando de dor e antes de abrir os olhos senti que alguém se levantava da beira da minha cama e dizia ao meu coração "Agora eu já vou". Não sou espírita nem tenho religião, falo do que vivi. Toquei meu marido, que dormia ao lado e falei "Liga p/ a médica, precisamos ir ao hospital". Eu senti tanto carinho naquele milésimo-de-segundo que entendi que não era MINHA CHANCE, não sei o que era ou o que foi, mas agradeço por ter vivido aqueles 3 meses.
    Bjus em vc, na barrigona e Páscoa cheia de Paz!

    ResponderExcluir
  8. Oiê, td bem? Estou passando pelo mesmo que vc, com a diferença que não tenho taaaanto medo assim da cesárea. Então, vou resumir um pouquinho meu caso, quem sabe te ajuda!
    Durante todo o pré-natal disse que queria parto normal e conversei muito com meu G.O. que nunca foi contra.
    Na consulta de 35 semanas ele disse que minha filha era grande demais para um p. normal e que ele recomendava cesárea para não me machucar. Não discuti. Afinal, confio muito no trabalho dele e sei que ele também quer o meu melhor.
    Quando voltei na consulta de 37 semanas (consulta na última segunda-feira), para o espanto dele (eu já imaginava que isso aconteceria), minha filha está encaixadinha para um p. normal. Então, ele analisou bem, fez o tal exame de toque e disse que poderíamos esperar um p normal, mas que não demoraria. No dia seguinte, saiu o tal do tampão (um corrimento parecido com catarro, misturado com sangue). Eu voltei ao consultório, muito calma, mas já preparada para um parto, fosse como fosse. Já estava com dois dedos de dilatação.
    Ele explicou o q significa o tal do tampão e disse que eu ainda teria mais uns cinco ou sete dias até que o trabalho de parto concluísse, para aguardar com calma.
    Cá estou eu, aguardando muito paciente as tais contrações para o p normal. tenho um retorno na segunda-feira e sei que se não tiver as contrações até lá, ele fará uma cesárea pela falta de evolução do meu corpo para o normal. Ou seja: sei que todos (eu, minha filha e o G.O.) fizemos nossa parte para o p. normal, mas às vezes, não vai rolar.
    Estou tranquila. Rezo todos os instantes para sentir as dores (nunca achei que fosse rezar para sentir dor) e conseguir fazer um parto normal, pois é tudo que eu quero viver. Mas sei que se não der certo, não foi por falta de tentativas.
    E, embora pareça cedo (estoou entrando na 38ª semana), meu trabalho de parto, amadurecimento da placenta e etc está bem evoluído para esperar muito...
    Espero que isso te tranquilize. E eu digo mais: tenha calma, paciência e reze para que aconteça o que for melhor para você e sua menina! E mais ainda: tenha muita confiança no seu G.O. senão, não tem condições. Acredito que esta relação de confiança seja fundamental pra que tudo ocorra da melhor maneira possível!
    Boa sorte!!!!

    ResponderExcluir
  9. Flor, senti na sua angústia a mesma que vivi com não conseguir amamentar. Um sentimento que sou "menos" mãe. Não sei o que dizer para te acalmar, mas acho que vc mesma disse: confiar no médico. Mas é triste saber que as mães brasileiras vão parir com essa angústia. Deveriam ir seguras que o parto será normal e que apenas casos excepcionais serão cesárea. Mas aqui, infelizmente, não temos essa segurança. Mas fuçando, ainda encontramos médicos de valor. Fiz 2 partos normais e uma cesárea. A cesárea foi a do meu filho do meio. Ele tinha artéria umbilical única e entrou em sofrimento na penúltima semana de gestação. Foi uma cesárea de emergência, tensa, mas absolutamente necessária. A médica chegou a me pedir desculpa, mas não me deu opção. Fez o trabalho dela. Em outros tempos ou talvez com outro médico, o Fabinho não estaria conosco. Ele ficou ainda 2 dias na UTI neonatal. Os outros dois saíram por vias normais. Rs! Mas tanto eu como o Fafá nos recuperamos superbem da cirurgia. Graças a Deus, à fé e aos médicos atentos e presentes. Fé, flor! Confie que vai dar tudo certo e dará. Mesmo que o certo não seja bem o que queremos. To na torcida por você.

    ResponderExcluir
  10. Fê, delícia, ver seu comentário. Vc está de quantas semanas? Olha, eu aprendi muito com esse medo. Acho que a principal informação é entender que essa "escolha": PN ou cesarea só vai acontecer na hora.
    E isso me fez pensar que não é uma escolha, mas um resultado. É tão diferente qdo vc enxerga que aquele processo teve determinado ritual, ou não, porque aí essa dobradinha que nos colocam como se fosse uma opção cai por terra. Vc acorda e descobre que a escolha da gestante é gestar a si mesma, é criar o ambiente para tornar-se mãe,
    enfim, muda tanto pq a gente passa a dedicar nossa atenção para aquilo que gente realmente pode mudar e não para aquilo que vai depender de diversas circunstancias, inclusive, da vontade e da necessidade do bebê.

    Patrícia, querida, não sei se já leu a tag "aborto" aqui no Desabafo de Mãe...Eu passei por tudo isso e aprendi muito sobre a espiritualidade. Um livro que caiu na minha mão naquela época e me fez ter coragem de dizer EU ACREDITO EM ESPÍRITOS E VIDAS ANTES E DEPOIS DE MIM...foi Nossos filhos vêm da luz, de Sarah Hinze...Vale a pena procurá-lo!

    ResponderExcluir
  11. Oi Jack, que delícia ter você aqui exatamente neste momento tão sublime do seu TP: obrigada!
    Espero que a chegada da sua filha tenha sido maravilhosa e que você esteja curtindo todos os vínculos da maternidade.
    Você tem razão sobre a confiança na equipe, mas eu ainda acho que você mostra o qto vc confia em vc mesma. Porque apesar do seu GO falar que já era hora pq a bebê estava grande, vc sabia que ela ia se encaixar e deu chance pra que o seu bebê pudesse vir ao mundo de uma maneira mais natural...Parabéns!
    Talvez, vale reforçar que meu medo da cesárea está muito ligado à minha experiencia do meu nascimento e da minha primeira gestação...acho que o seu medo é não traz toda essa carga, né? Pelo jeito, vc está na sua primeira gestação, certo?

    ResponderExcluir
  12. Oi Tais, querida, obrigada pela partilha e pela lição. Essa dor que exponho qdo escrevi o post já está mais acolhida agora...Eu precisava vomitá-la, entende?
    E foi mto bom porque a lista da Materna trouxe muitos relatos que me ensinaram a enxergar tanta coisa, me ensinaram a entender o parto com outro olhar...E me deram chance de perceber a importância desse caminho. O resultado vai ser o melhor pra nossa família e eu quero e aceito esse melhor, seja ele um PN ou cesárea. ufa! Tô quase pronta...só falta parar de blogar...kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir